Intel Perceptual Night!

A Intel em apoio a comunidades de desenvolvedores de software está promovendo uma noite com uma palestra sobre Intel® Perceptual Computing SDK e um mini dojo!
Tudo isso de graça no auditório da Intel dia 13 de junho (quinta feira), a partir das 19:00.
Para demonstrar interesse clique aqui

Grade

Teremos no dia uma palestra do Felipe Pedroso, Community Manager da Intel, que via falar sobre o SDK!

Logo depois teremos um mini dojo. A idéia é que as pessoas possam fazer algum código, ver como funciona e como é simples de desenvolver.
Não sabe como funciona um dojo? Leia o fim deste post.

Hey! Teremos câmeras Perceptual no dia para você experimentar!

Quem sabe de lá não saem projetos para o Perceptual Challenge Brasil?

Local
 

Será na Intel Brasil que fica na Avenida Doutor Chucri Zaidan, 940 (Shopping Market Place) - 10º andar. Vila Cordeiro - São Paulo

Sobre Dojos

Há séculos samurais e estudantes de esgrima sereunião nos chamados DOJO. Esses eram como uma academia, um clube, uma escola, onde os guerreiros se encontravam para praticar lutas ou esgrima. Algumas vezes o dojo criava um estilo novo e todos que faziam parte iam praticando junto e aperfeiçoando o estilo de luta.

Nos dias de hoje programadores se reunem em dojos de software. Dojos são encontros em que os programadores tentam resolver problemas práticando e melhorando em conjunto.

Em um dojo todos podem aprender, desde pessoas novatas até os mais experientes. Certa vez participei de um dojo onde o objetivo nem era o problema de programação e sim práticar a comunicação entre os membros do time. Uma pessoa mais experiente também pode aprender na prática ao se deparar com algo fora do seu dia-a-dia.

Uma vez os programadores escolhido o tipo é hora de escolher o problema, discutir e praticar! Muitas vezes o mestre do dojo já trouxe o tipo e o problema,para adiantar. Agora você precisa saber os procedimentos de um dojo:

Randori
 

É um tipo mais usado de dojo, o primeiro, seus elementos são:

Testes: em um dojo os programadores usam de testes ao codificar em uma prática conhecida como TDD (Test Driven Development) onde os testes de software são feitos antes do código do problema.

Pair Programming: Em um dojo práticamos XP. Temos um piloto que está escrevendo o código e um copiloto. O Copiloto pode sugerir coisas, analisar o código que está sendo feito, e permanecer atento a erros.

Rodízio: em um dojo todos programam o mesmo código. Enquanto a dupla codifica a plateia assiste e só pode comentar algo se os testes estiverem passando. Uma vez que os testes estão quebrados a plateia fica em silêncio. A cada ciclo entre 5 ou 10 minutos o pilo sai de cena, volta à plateia, o copiloto vira piloto e alguém da plateia vira copiloto.

Baby Steps: passos pequenos. Mesmo que você tenha a solução na cabeça faça devagar. Faça o minimo possivel para um teste passar. Depois adicione mais testes e faça-os passar. Só depois refatore.

Retrospectiva: nessa hora discutimos e contamos votos para pontos positivos e negativos.

Nem sempre no fim do dojo conseguimos resolver o problema ou desafio, mas o importante são as lições aprendidas.

Nähere Informationen zur Compiler-Optimierung finden Sie in unserem Optimierungshinweis.