Intel® Edison – setting up, primeiras impressões

Esse aí ao lado é o Intel® Edison, computador do tamanho de um cartão SD (35 x 25 mm) lançado pela Intel no ano passado, com o objetivo de facilitar a implementação de dispositivos IoT.  A plaquinha tem um processador dual-core e um microcontrolador.  Oferece conexão Bluetooth e WiFi, 1 Gb de memória e 4 Gb de “storage”. Para mais informações sobre as especificações da placa, clique.

 

 

Nessa outra página você tem uma série de documentos importantes sobre o Edison.

O objetivo deste post é descrever o que fiz para deixa-lo “up and running” e também contar as minhas primeiras impressões sobre ele.

Esse é o verso do Edison. Observem o conector na parte inferior. É um conector de setenta vias, creio que proprietário, que é a conexão “com fio” do Edison com o mundo exterior.

Aqui cabe um comentário: à medida que vai-se diminuindo os tamanhos das CPUs, necessariamente os conectores tem que diminuir. Por outro lado como o poder das CPUs está crescendo, o número de conexões com o exterior aumenta. Eu acho que a solução do Edison é muito boa, o conector prende-se firmemente quando conectado a outro dispositivo e possui um número de vias adequado, que implementam mais de 30 tipos de interface I/O.

Ou seja, se “com grandes poderes vêm grandes responsabilidades” (já dizia o filósofo Tio Ben), com a evolução das plaquinhas vêm conectores cada vez menores, ou ainda: entra o Edison, sai o ferro de solda.

Então como é que fazemos para alimentar o Edison e nos comunicarmos com ele? A intel comercializa também o Intel® Edison Board for Arduino, que é uma placa com duas funções: ser uma espécie de kit de desenvolvimento para o Edison, que provê conexão de alimentação e de comunicação USB-Serial com o PC, e também oferecer uma seção de pinos como os do Arduino, fazendo com que possamos conectar o Edison com uma protoboard usando fios ou mesmo conectar um shield Arduino “em cima” do Edison.

Abaixo, a placa de expansão já com o Edison montado e conectada ao PC.

É uma placa do tamanho exato da Galileo. Na imagem acima dá para identificar o Edison acoplado ao canto inferior esquerdo, os conectores fêmeas dispostos como no Arduino, três portas USB e um conector de energia do lado direito. Na parte superior mais à esquerda, um soquete para cartão micro SD e cinco botões.

Para trazer o Edison à vida basta seguir o roteiro abaixo. Ele se aplica ao uso com computadores rodando Windows. Para Mac OS e Linux clique aqui.

  1. Monte o Edison na placa de desenvolvimento conforme a imagem acima. As porcas que prendem o Edison à base estão no saquinho plástico que veio junto no kit. É bem simples, mas se você quiser mais detalhes aqui no site da Intel tem uma sequência de fotos e um vídeo que certamente ajudarão.
  2. Faça o download da IDE do Arduino compatível com o Edison, na página: http://www.intel.com/support/edison/sb/CS-035180.htm. Essa página contém os links para os downloads necessários para iniciar o Edison. Procure por “Arduino Software” e em seguida faça o download da versão adequada para o seu micro.

 

 

 

 

 

 

  1. Instale o software do Arduino.

Importante: essa versão do software do Arduino não é compatível com as outras placas, mas somente com as da Intel (Galileo e Edison). Por isso, instale o novo software em um diretório diferente caso você já tenha instalado em seu micro uma versão do software do Arduino que você usa para outras placas.

  1. Conecte o Edison ao PC usando dois cabos USB, um ligado a cada conector mini USB da placa de desenvolvimento, conforme você vê na imagem acima.
  1. Verifique, após alguns instantes, se o Edison vai aparecer como uma espécie de pendrive no seu micro. No Windows, ele aparece assim, como disco H:                         

Uma coisa interessante que me aconteceu nesse ponto é que, pelo que li na net a respeito do setup do Edison, ele deveria ter vindo com uma versão de Linux já instalada e os arquivos seriam visíveis no Explorer. Não foi o que aconteceu no meu caso, o “disco H” apareceu vazio. Foi fácil resolver a questão, conforme vocês verão mais à frente.

  1. Instale os drivers do Edison. Comece pelo FTDI, que é o driver responsável pela comunicação USB entre PC e Edison: http://www.ftdichip.com/Drivers/CDM/CDM%20v2.10.00%20WHQL%20Certified.exe

Execute o programa, clique Next, Next até o fim da instalação.

  1. Em seguida instale o driver do Edison. Para isso, volte à página dos softwares e procure por Driver Software. Faça o download e instale.
  2. Desligue e ligue o Edison ao seu PC, reconectando os cabos USB. Nesse ponto o Edison deve aparecer como uma porta COM (serial), dessa forma abaixo:

  1. Nesse ponto já dá para usarmos o Edison para rodar sketches do Arduino. Para isso, abra o programa do Arduino que você instalou no passo 3.
  2. Selecione a porta correspondente ao Edison no menu Tools\Serial Port. Se você não sabe qual é a porta a ser selecionada, abra o Gerenciador de Dispositivos (Device Manager) do Windows e localize a porta pelo nome Intel Edison Virtual Com Port. Veja abaixo:


 

  1. Selecione no menu Tools\Board a placa Intel Edison.
  2. Para testar, selecione em File\Examples\01.Basics\Blink e clique no botão Upload (seta à direita). O programa será compilado e enviado ao Edison. Após o envio, um LED verde começará a piscar, se tudo estiver ok.
  3. Uma coisa curiosa que reparei é que, ao desconectar e reconectar a minha placa ao PC, o Blink “sumia”, ou seja, ele não ficava guardado na memória do Edison. Esse problema, acho, se deveu ao fato do meu Edison não ter um Linux previamente instalado, porque depois que eu instalei o Linux ele passou a manter o programa quando eu religava a placa ao micro.

Atualizando o Linux do Edison

Esse procedimento vale tanto para atualização como para instalação do Linux num Edison onde ele porventura não estiver instalado. Para remover a versão que estiver por lá, abra o “disco” correspondente ao Edison conectado e delete todos os arquivos que achar por lá:

Em seguida, faça o download do Yocto Complete Image da página de downloads da Intel. Como é um arquivo zip, abra-o e copie o conteúdo dele para o drive correspondente ao Edison. Em seguida, reinicie o Edison desligando e religando as USB.

Para testar o Linux deve-se usar um programa de terminal de comunicação serial. Usei o Putty, mas pode ser usado qualquer outro como o TeraTerm, por exemplo.

Agora, um detalhe interessante.

Eu tinha reparado que, ao “espetar” a minha placa no micro apareciam duas novas portas seriais, como você pode ver abaixo:

Quando eu me conectei com o programa do Arduino eu usei a porta COM36, como mostrei antes.

Ao configurar o Putty eu me deparei com o seguinte: a porta que eu usei para acessar o Edison pelo Putty não foi a mesma que eu usei para acessar via Arduino. Isso é uma boa coisa, já que usando-se portas diferentes um acesso não atrapalha o outro. A porta que deu certo foi a COM34.

 

 

Para configurar o Putty, clique primeiro em Session. Selecione Connection Type como Serial. Em Serial Line, indique a sua porta serial e em Speed coloque 115200. Se quiser, coloque um nome em Saved Sessions e salve a sua configuração. A minha tela ficou assim, depois de configurada:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Clique em Open, aperte enter duas vezes e aparecerá a seguinte tela:

Escreva root, então aperte enter. Se ele pedir uma senha (no meu caso não pediu), pressione enter novamente.

Para finalizar a instalação, dê o comando:

reboot ota

O sistema irá reconfigurar o Edison com o novo Yocto.

É isso. Em outros posts, novas impressões sobre o Edison.

Para obter informações mais completas sobre otimizações do compilador, consulte nosso aviso de otimização.

2 comentários

Topo
imagem de Luciano L.

Há alguma integração entre o Edison e a Galileo? Ou necessariamente deve-se adquirir o Intel Edison Board for Arduino?

imagem de Ricardo Braga

Post muito bom, parabéns! Como você adquiriu a placa? Já fez alguma aplicação com ela?

Adicionar comentário

Tem alguma pergunta técnica? Visite nossos fóruns. Tem algum problema com o site ou produtos de software? Contato para suporte.